domingo, 21 de fevereiro de 2016

SÃO JOÃO BATISTA - Missões.

São João Batista foi a primeira redução jesuítica que visitamos, mas foi a 6º dos Sete Povos das Missões. Tivemos uma certa dificuldade para encontrá-la pois na ocasião não havia muita sinalização, por várias vezes que no caminho perguntávamos, as respostas sempre nos levavam a São Miguel, talvez por se tratar da mais famosa redução jesuítica no Brasil, declarada como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO (o que será abordado em uma postagem exclusiva). embora ainda não a conhecíamos e estivéssemos ansiosos para tal, nosso planejamento nos mostrava como objetivo procurar a redução jesuítica de São João Batista, até que em um ponto bem próximo da estrada de acesso, ainda na BR 285 perguntamos em uma casa, onde o senhor que nos atendeu perguntou: "Vocês procuram as ruínas de São João Velho?" - "Essa mesmo!" - "Na próxima entrada a esquerda tem uma pequena placa azul, mais seis quilômetros..."
O Sítio Arqueológico São João Batista está localizado no município de Entre-Ijuís no Estado do Rio Grande do Sul / Brasil. Fica na localidade (vilarejo) de São João Velho, distante 19 Km do centro da cidade, destes, 6 são de estrada de terra, muito bem conservada.

Controle de entrada do Sítio Arqueológico de São João Batista.

O Sítio Arqueológico São João Batista está aberto diariamente das 09:00 às 17:00 e tem um controle na entrada do sítio com vigilância, nesse ponto há um pequeno museu com peças provenientes de achados arqueológicos e muita informação sobre a redução jesuítica. Mapas em imensos painéis e plantas das antigas construções dão a dimensão e inserem os visitantes no mundo missioneiro, que ao passarem esse ponto, é como ultrapassar um portal mágico que nos transporta ao passado.

Sítio Arqueológico São João Batista - Entre-Ijuís - RS / BR.

Na ocasião não nos foi cobrado o acesso e a recepção dos funcionários é extraordinária. Ao acessarmos fomos surpreendidos por mais um museu, agora ao ar livre com peças esculpidas em pedras grês.

Peças esculpidas em pedras.

O local oferece visita guiada aos turistas, mas você pode fazer a visita auto guiada também, super a vontade, pois a infra-estrutura do sítio é ótima, a medida em que se avança, placas interpretativas contam como seria na época, desenhos e explicações vão colocando o visitante dentro do cenário.
Os textos transcritos nas placas de sinalização são relatos do Padre Sepp, fundador da Redução de São João Batista, reunidos na obra Viagem às Missões Jesuíticas e Trabalhos Apostólicos.

Abaixo por exemplo:

PRAÇA.
"... a praça principal (...) mede quatrocentos pés geométricos de largura e outros quatrocentos e cinquenta de comprimento. Esta área é cercada (...) pelas casas dos indígenas, separadas umas das outras (...)".
"Da praça saem as quatro ruas principais em forma de cruz, que medem sessenta metros de largura e mais de mil de comprimento, e levam ao campo em todas as direções. Esta distribuição embeleza o aspecto do povoado (...), pois de todos os pontos cardeais, quatro avenidas largas e formosas levam para dentro da vila e se encontram na metade da praça em frente ao portal da igreja".

A praça principal - Redução Jesuítica de São João Batista.

Como nas demais reduções, a praça central era circundada pelas moradias dos indígenas e dos padres, pelas oficinas, cemitério, colégio, adega e igreja.

RUA PRINCIPAL.
"Para que as construções não se fizessem espalhadas aqui e ali, sem ordem e em conflito com as regras da arte arquitetônica, (...) dividi a planície (...) em duas partes iguais, de modo que uma ala, contasse de largura, tantos pés geométricos quanto a outra. A paróquia ou templo, e a casa dos padres missionários ocuparia o meio da praça. Esta praça seria o centro, donde partiriam as ruas paralelas, igualmente distantes de um lado e outro".

O solo ondulado revela marca das construções.


A infra-estrutura por si só sugere o trajeto a seguir.

A redução de São João Batista foi fundada em 1697, sua população inicial era proveniente da redução de São Miguel Arcanjo, isso aconteceu em função do crescimento populacional e das dificuldades de abastecimento. Foi fundada pelo padre Antonio Sepp (1655-1733), jesuíta alemão, um polímata que dominava a música, arquitetura, urbanismo, relojoaria, pintura e escultura. 

Pátio da casa dos padres.


 
Ruínas das oficinas e do colégio.

No início o padre Sepp foi seguido por 2.832 pessoas oriundas da redução de São Miguel, quando do inicio dos trabalhos de construção da igreja em 1708, já havia 3.400 pessoas habitando o aldeamento e por volta de 1730 possuía mais de 4.500 habitantes.

Ruínas de São João Batista - Missões.


Passarelas facilitam a passagem  e diminuem o impacto.


Ruínas da Redução Jesuítica de São João Batista - Missões.

Sepp também foi um geólogo e minerador, sendo o pioneiro nos trabalhos de metalurgia nas Missões. Extraia o ferro, que era utilizado na fabricação de sinos, ferragens e ferramentas, aquecendo a pedra "itacurú" que era abundante na região.

OFICINAS.
"[os padres missionários] Ensinaram a fabricar sinos de bronze, a fundir tachos de estanho, a preparar salitres e nitratos de pó. Tenho visto com grande admiração, relógios feitos pelos índios, que dão horas e cujos ponteiros indicam o tempo; esferas ou cilindros astronômicos, nos quais os indígenas lograram gravar os graus e os minutos com precisão a mais exata. (...) é (...) dificil adivinhar qual o relógio feito na Europa e qual no Paraguai".

Redução Jesuítica de São João Batista - Entre-Ijuís - RS / BR (Missões).


São João Batista - Missões.

Atualmente o Sitio de São João Batista abriga restos da estrutura do cemitério, da igreja e do colégio, além de estruturas complementares como olarias, barragens, estradas, etc.

Representação Gráfica por satélite do que seria a Redução de São João Batista.

O cemitério está muito bem conservado e me parece ser usado ainda pelos moradores da localidade, ele fica a direita da igreja para quem a vê pela frente.

 
Cemitério.

Realmente fomos muito felizes em escolher a Redução de São João Batista para iniciar a nossa visita as Missões, as pedras, os blocos conservados, ou como muitos, empilhados, cada detalhe impressiona, por vezes eu ficava sozinho em algumas partes, mas era como se não estivesse, o lugar mexe com você, é impressionante... A imaginação é livre, o lugar parece ser místico, a mistura de dias gloriosos com a decadência causa uma certa reflexão... Religião, morte, está tudo ali, e aquelas ruínas centenárias foram testemunhas de tudo, as mesmas que travam uma luta constante com o tempo e fenômenos da natureza para se manter. 

Redução Jesuítica São João Batista - Missões.


Sítio Arqueológico São João Batista.

Em alguns sítios algumas paredes já comprometidas possuem escoras, também é fácil notar blocos numerados em algumas paredes, é um tipo de mapeamento para que em caso de desabamento os blocos passem por um processo de restauração e os mesmos voltem para o seu lugar de origem corretamente.

Sitio Arqueológico São João Batista - Missões.


Blocos numerados.


São João Batista - Missões / Brasil.


Ruínas da Redução Jesuítica de São João Batista - Missões / Brasil.

Em São João Batista, a igreja começou a ser construída em 1708 e, segundo o Padre Sepp, era ornamentada com pinturas nas paredes e possuía grande variedade de imagens  sacras de madeira.

IGREJA:
"Cinco portas tem o templo: duas laterais e três no frontispício; destas, a maior é a do meio, que não somente oferece espaçosa entrada ao povo, mas também (...) projeta no recinto tanta luz que, mesmo estando todas as janelas fechadas, sempre tem luz meridiana, claríssima".

" A igreja está pintada a diferentes cores. Pelas colunas entrelaçam-se (...) cachos de uvas e ramalhetes de flores (...). Veem-se dependurados nas paredes quadros de diversos santos. Nem (...) se esqueceram das gravuras dos horríveis chamas do inferno, para conservar os índios no santo temor de Deus e afastá-los do pecado". 

Igreja - Angulo frontal.


Igreja - São João Batista / Missões.


Sítio Arqueológico São João Batista - Entre-Ijuís - Rio Grande do sul / Brasil.

Em 1970, os Sítios Arqueológicos de São joão Batista, São Lourenço Mártir e São Nicolau foram declarados patrimônio histórico e artístico nacional pelo IPHAN. São Miguel das Missões já havia sido declarado em 1938 um ano após a criação do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico nacional) instituição vinculada ao Ministério da Cultura.
As outras três reduções que somadas a essas quatro formavam os 7 povos das missões, tiveram seus vestígios encobertos por formações urbanas: Santo Ângelo Custódio, São Luiz Gonzaga e São Francisco de Borja.

Ruínas da Igreja da Redução Jesuítica de São João Batista.


Imagens...


...Fantásticas.


Ruínas de São João Batista / Missões.


São João Batista - Missões - Entre-Ijuís - RS / BR.

O Sítio também mantém um monumento em homenagem ao Padre Antônio Sepp. A obra feita em pedra é datada de 1959 e se confunde com as ruínas da própria redução, reproduzindo a figura dos pioneiros da siderurgia no país.

Homenagem ao Padre Antônio Sepp.


Monumento inaugurado em 1959.


Monumento feito em pedra em homenagem a Antônio Sepp.

Após a Guerra Guaranítica e a expulsão dos jesuítas, o local permaneceu ocupado até meados do século 19 por poucas famílias indígenas.

Saímos de São João Batista muito satisfeitos com o passeio e enriquecidos culturalmente, nossa próxima redução seria São Miguel das Missões, distante 24 quilômetros, onde passaríamos a noite para no outro dia visitar o incrível sitio que será compartilhado em uma postagem exclusiva. 
Até a próxima!!!!!!!!!!




SÃO JOÃO BATISTA - PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL BRASILEIRO!!!!!!!!!!



COORDENADAS GOOGLE EARTH: 28º27'22.63"S - 54º23'56.19"O.



TEXTO: 
Adaptação - Valfredo Neves.

Fontes - Wikipédia; Portal das Missões; Pousada das Missões; Biblioteca Missioneira; Placas explicativas locais; Folders Turísticos.

Em laranja Itálico - Trechos transcritos nas placas de sinalização do sítio. Foram escritos pelo Padre Sepp e reunidos na obra "Viagem às Missões Jesuíticas e Trabalhos Apostólicos".



FOTOS: Valfredo Neves.



VEJA SOBRE PESQUISAS ARQUEOLÓGICAS NO SÍTIO EM:





2 comentários:

  1. Espetacular o relato ilustrado, com referências históricas importantes que tornaram o texto ainda mais consistente. Realmente, despertou o desejo de conhecer o local. Obrigada pela disponibilização dessas riquíssimas informações. Joice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal!!!!!
      Obrigado Joice!
      Receber um comentário como o seu nos motiva ainda mais a dar continuidade ao nosso projeto...
      Sabe, estou encantado pela história das missões, tive que ler e estudar muito para realizar estas postagens... Hoje chorei ao ver a tocha olímpica em São Miguel... A história é envolvente e poder ter estado em lugares como estes nos enriquece muito culturalmente!!!!!!!
      Obrigado mais uma vez e Um Grande Abraço!!!!!!!!

      Excluir

Deixe seu Comentário!!!!!!!