domingo, 15 de outubro de 2017

PETAR - Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira.


Muito já se escreveu e se falou sobre o PETAR, a proposta aqui é juntar as informações técnicas mais relevantes através das fontes de pesquisas e somar com a experiência vivenciada "in loco" descrevendo nossas aventuras quando de passagem pelo parque.

O Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR) é considerado uma das Unidades de Conservação (UCs) mais importantes do mundo. Com mais de 350 cavernas cadastradas pela Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE). Em 1999 foi reconhecido como Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO.

Parque Estadual PETAR - São Paulo / Brasil.

Nosso ponto de partida para o PETAR foi a Pousada Casa de Pedra¹ em Iporanga², onde estávamos hospedados. O agendamento com a guia que nos conduziu nas aventuras se deu por intermédio da pousada que realiza o contato com guias credenciados mediante interesse dos aventureiros.

As visitas aos atrativos do parque são obrigatoriamente monitoradas, ou seja, é obrigatório a condução de um grupo, ou mesmo individual, por um guia (Monitor Ambiental). Os monitores podem ser contratados nas agências locais ou receptivas e pousadas da região. Essa prática gera emprego e renda local e dissemina um maior controle sobre as práticas de minimo impacto ambiental, bem como maior segurança aos visitantes.

É necessário um guia para grupos de até 8 pessoas, fechando o grupo com 9 integrantes, esse número é o máximo por turma, que pode ser formada por quantidades inferiores a 9. Em turmas cheias os valores costumam ser menores, pela quantidade, quanto menas pessoas os valores aumentam, mas nada absurdo, tudo ocorre dentro do bom senso e é conversado antes.

Na ocasião, nossa turma era de 5 pessoas mais a guia e em outra turma que saiu da pousada era formada por um casal (2) mais o guia. É melhor chegar ao parque já com o monitor para evitar correr o risco de não poder acessar.

Percorremos aproximadamente 17 Km em uma estrada de terra bem conservada até o Núcleo Santana, o escolhido para nossas atividades por ser o que concentra a maior parte dos atrativos. Na portaria paga-se uma pequena quantia para ingressar no parque. Leve dinheiro, pois não eram aceitos cartões nem moeda estrangeira.

Portaria do Núcleo Santana - PETAR.


Estacionamento no Centro de Visitantes do Núcleo Santana - PETAR.

Localizado no sul do Estado de São Paulo, entre as cidades de Iporanga e Apiaí, o Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira / PETAR foi criado em 1958 para garantir a conservação do patrimônio espeleológico (cavernas e paisagem), arqueológico e paleontológico, e a biodiversidade da Mata Atlântica e das cavernas da região.

Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira / PETAR.

Com uma área de 35.884,28 ha, o PETAR reúne áreas nos municípios de Apiaí, Guapiara e Iporanga. Há 4 núcleos abertos à visitação turística: Santana, Ouro Grosso e Casa de Pedra em Iporanga e Caboclos em Apiaí. As populações vizinhas ao PETAR são diversificadas, incluindo comunidades quilombolas, ribeirinhas e de pequenos e médios agricultores.

PETAR - Unidade de Conservação do Estado de São Paulo.


Núcleo Santana - PETAR - SP / Brasil.

Das mais de 400 cavernas existentes no PETAR, mais de 350 já foram cadastradas, mas apenas 12 são abertas ao turismo, as quais são divididas nos 4 núcleos de visitação. Os Núcleos Santana e Caboclos concentram a maior parte dos atrativos, enquanto o Núcleo Ouro Grosso recebe um número maior de escolas e eventos. No Núcleo Casa de Pedra é possível visitar somente a entrada da caverna que conta com o maior pórtico do mundo com 215 metros de altura.

Abaixo estão as 12 cavernas do PETAR e seus respectivos núcleos, destinadas a visitação turística. Na atualidade algumas destas estão interditadas por conta da ausência do plano de manejo, ainda em elaboração:

NÚCLEO SANTANA:
  • Santana
  • Morro Preto
  • Couto
  • Água Suja
  • Cafezal

NÚCLEO OURO GROSSO:
  • Ouro Grosso
  • Alambari de Baixo

NÚCLEO CABOCLOS:
  • Teminina
  • Caverna Desmoronada (interditada)

NÚCLEO CASA DE PEDRA:
  • Casa de Pedra
  • Cristal (interditada)

REGIÃO DO LAGEADO:
  • Laje Branca (interditada)
Em nossa primeira atividade no parque, percorremos a Trilha da Caverna Santana, de nível fácil com apenas 87 metros tem como principal atrativo a Caverna Santana. No pequeno percurso é possível admirar a flora e avistar a fauna, que conta com um grande número de aves.

Trilha da Caverna Santana

Ao chegar à Caverna Santana para nossa surpresa, mas não para a guia, estava inundada pelo Rio Roncador que passa no interior de suas galerias, isso pela grande quantidade das chuvas.

A formação das cavernas na região ocorre a partir das águas pluviais saturadas de ácido carbônico, provenientes dos solos ricos e férteis da mata preservada, que penetram nas fissuras rochosas e desgastam o calcário presente no solo da região, abrindo dutos e galerias, e originando cavidades naturais, as cavernas calcárias.

Caverna Santana - PETAR.


Caverna Santana - Núcleo Santana - PETAR.

Dentro do Núcleo Santana há outros roteiros de visitação, um dos mais notáveis é a Trilha do Rio Betari. A trilha de 7.200 metros, percorre a margem do Rio Betari que possui flora e fauna exuberantes. No final chega-se a duas cachoeiras com quedas d'água de 30 metros: a Cachoeira das Andorinhas e Cachoeira do Betarzinho.

Trilha do Rio Betari.

A Trilha do Rio Betari é integrante do Passaporte do Programa Trilhas de São Paulo. Essa mesma trilha acessa as cavernas Água Suja e Cafezal. Infelizmente interditada na ocasião, também por conta da grande quantidade das chuvas.



Trilha do Rio Betari - Núcleo Santana - PETAR.

O PETAR, junto com outras Unidades de Conservação, situa-se no maior contínuo de Mata Atlântica Preservada do Brasil e integra a Zona Núcleo da Reserva da Biosfera.

Mais de 80% da população brasileira vive nos domínios da Mata Atlântica, da qual restam pouco mais de 7% do território original. Mesmo reduzida e fragmentada, seus ecossistemas ainda abrigam imensa riqueza de espécies animais e vegetais, e contam com os mais altos índices de biodiversidade do planeta. Por esses motivos a Mata Atlântica é considerada um dos 5 biomas mais ameaçados do mundo.

Trilha na Floresta de Mata Atlântica - PETAR.

A Floresta de mata Atlântica garante abastecimento de água para mais de 120.000.000 de pessoas, protegem a estabilidades das encostas, contribuem para o equilíbrio do clima e preservam um imenso patrimônio histórico cultural. O maior território contínuo de remanescentes de Mata Atlântica do país encontra-se no Estado de São Paulo, especificamente, no Vale do Ribeira e nas Serras da Mantiqueira, do Mar e Paranapiacaba.

Flora da mata Atlântica - PETAR.

A Mata Atlântica é um dos 34 hotspots de biodiversidade do mundo. Hotspots são áreas de alta biodiversidade, onde existem muitas espécies que só existem nesses locais, as chamadas espécies endêmicas.

A devastação ao longo do tempo eliminou mais de 75% da superfície original dos 34 hotspots do mundo. Hoje eles ocupam apenas 2,3% da superfície da terra, e neles vivem:
  • 75% dos mamíferos, aves e anfíbios mais ameaçados do mundo.
  • 50% das plantas conhecidas.
  • 42% dos vertebrados conhecidos.

Hotspots são importantes para o equilíbrio climático do planeta. As plantas e animais que vivem nessas áreas representam um verdadeiro tesouro para a ciência e são decisivas para o futuro da humanidade.

Flora no Núcleo Santana - PETAR.

Após a verificação da inundação e da impossibilidade de visitarmos a Caverna Santana e a Trilha do Betari, a nossa guia optou por outro roteiro de visitação chamado Trilha do Morro Preto e Couto onde encontraríamos como atrativos a Caverna do Morro Preto, a Caverna do Couto e a Cachoeira do Couto. 

O acesso às Cavernas Morro Preto e Couto é feito por um percurso sinuoso com degraus, estes, devido as constantes chuvas encontravam-se bastante escorregadios, os quais exigiam uma atenção redobrada. A visitação nesses atrativos citados foram bem sucedidas, entretanto, serão compartilhadas em postagens exclusivas, pois foram aventuras incríveis. 

Trilha do Morro Preto - Núcleo Santana - PETAR.


Rio Betari - PETAR.


Ponte sobre o Rio Betari na Trilha do Morro Preto - PETAR.

Depois de nossas aventuras nas cavernas  e nas trilhas do núcleo voltamos para o ponto de partida, o quiosque dos guias, nele há exposto em placas as normas de visitação para as cavernas do PETAR existentes devido a um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), assinado junto ao Ministério Público, IBAMA, ICMBio e CECAV.

O parque passou um período fechado (dois meses em 2008), por conta de alguns acidentes e ausência de um Plano de Manejo. Para reabertura do Parque foi elaborado um Plano Emergencial para cada caverna com normas referentes ao número de pessoas, horários de visitação entre outros.

Nas cavernas do Núcleo Santana foram criados horários de visitação conforme o Plano Emergencial em vigor, todos com saída inicial do quiosque dos guias. Grupos com no máximo 8 visitantes mais um Monitor Ambiental:
  • CAVERNA SANTANA - 09h às 15h com saída entre os grupos de 30 min. Podendo unir 2 grupos no mesmo horário. Capacidades de visitação por dia de 104 visitantes.
  • CAVERNA MORRO PRETO - 08h às 16h com saída entre os grupos de 20 min. Podendo unir 2 grupos no mesmo horário. Capacidades de visitação por dia de 200 visitantes.
  • CAVERNA COUTO - 08h às 16h com saída entre os grupos de 20 min. Capacidades de visitação por dia de 200 visitantes.
  • CAVERNA ÁGUA SUJA - 08h às 14h com saída entre os grupos de 20 min. Capacidades de visitação por dia de 102 visitantes.
  • CAVERNA CAFEZAL - 08h às 12h com saída entre os grupos de 20 min. Capacidades de visitação por dia de 106 visitantes.

Água potável no início das trilhas.

Apesar de toda estrutura do Núcleo Santana como Centro de Visitantes, estacionamento, banheiros, etc, as atividades nas trilhas e nos ambientes das cavernas são rústicos. Em determinados momentos você tem que pisar no barro, as trilhas são íngremes, em algumas cavernas é preciso atravessar trechos dentro d'água, há escadas para vencer alguns lances, se abaixar e utilizar o auxílio das mãos em outros. Digo isso, pois notei alguns comentários em outros blogs com reclamações nesse sentido, o PETAR é para atividades de aventuras outdoor, não é um passeio no shopping.

Em cima disso foi criado uma série de normas e regras visando aumentar a segurança do visitante:
  • É obrigatório estar com Monitor Ambiental em todas as cavernas e na maioria dos atrativos.
  • É obrigatório o uso de calça, camiseta com mangas (pode ser curta, mas tem que cobrir os ombros) e tênis (não sendo permitidos o uso de blusinhas, regatas e sandálias).
  • Nas cavernas é obrigatório o uso de equipamentos de segurança como capacetes e lanternas.

As aventuras no PETAR foram incríveis, infelizmente não conseguimos ver tudo o que gostaríamos pela grande quantidade das chuvas, mas ficamos muito satisfeitos com as experiências vivenciadas no parque. Essas serão compartilhadas em postagens exclusivas.

O atual Gestor do PETAR em 2017 é o Sr. Rodrigo Aguiar.



PETAR - A MAIOR CONCENTRAÇÃO DE CAVERNAS DO BRASIL!!!!!!!!!!!!!!!!


COORDENADAS GOOGLE EARTH: 24º32'14.31"S - 48º42'00.35"O.


TEXTO: Valfredo Neves.
Fonte: PETARonline; Centro de Visitantes do Núcleo Santana; ambiente.sp.gov; Folder Turístico da Fundação Florestal; Centro de Visitantes do Núcleo Caverna do Diabo; Wikipédia.


FOTOS: Valfredo Neves.


VEJA AQUI NO BLOG:



CURIOSIDADE:
O logotipo do PETAR trás o Bagre Cego de Iporanga (Pimelodella kronei), o primeiro peixe de caverna descoberto e descrito no Brasil - Espécie endêmica das cavernas do PETAR.